BEM VINDO À ASSOCIAÇÃO NOVA ESPERANÇA

BEM VINDO À NOVA ESPERANÇA

A "Associação de Leigos Nova Esperança" é uma expressão pastoral da Paróquia da Baixa da Banheira. A força de acção que lhe dá vida é totalmente voluntária. Os seus elementos, de diferentes faixas etárias, com variadas categorias profissionais, completam o puzzle do "amor ao próximo" no encontro com múltiplas situações sociais, de dor humana, marginalidade, pobreza, desemprego, toxicodependência, de falta de habitação e de bens essenciais à vida.
O encontro dos elementos desta Associação com aqueles que nos batem à porta, acontece num clima de vida, de uma nova esperança, de dignidade, tendo como pano de fundo o olhar terno e meigo de Deus.


FELIZ ANO NOVO!!!



O "Nova Esperança - Grupo de Apoio Fraterno" deseja a todos os amigos, leitores e benfeitores, um Feliz e Próspero Ano Novo, com muita saúde, paz e amor.

QUE DEUS A TODOS ABENÇOE!!!

VOLUNTÁRIOS DO "NOVA ESPERANÇA" RECOLHERAM 7,2 TON. DE ALIMENTOS NA ÚLTIMA CAMPANHA DO BANCO ALIMENTAR


Resultados das quantidades de alimentos recolhidos pelos voluntários do "Nova Esperança", na 25ª Campanha do Banco Alimentar Contra a Fome de Setúbal, em 01 e 02 de Dezembro:
  • Modelo de Alhos Vedros: 3,4 Ton.
  • Lidl da Baixa da Banheira: 1,1 Ton.
  • Minipreço Parking da Baixa da Banheira: 1,6 Ton.
  • Minipreço da Rua Padre José Feliciano da Baixa da Banheira: 1,1 Ton.
Total de alimentos recolhidos nos 4 supermercados: 7,2 Ton.

Nesta campanha foram recolhidos nos armazéns do "Banco Alimentar de Setúbal", 284,8 Ton. de alimentos, que beneficiarão cerca de 25.000 pessoas carenciadas do distrito, nos próximos 6 meses.

Apesar do decréscimo de 2,3% em relação a Novembro do ano passado, esta campanha foi um sucesso. Parabéns a todos os voluntários que participaram nesta campanha. Sem a sua participação, não teria sido possível tão grande sucesso.

FELIZ NATAL

GOSTOU DESTE GIF? No site Belas Mensagens tem centenas! CLIQUE AQUI E CONFIRA
“São nos pequenos gestos e atitudes do nosso dia-a-dia que devemos proporcionar o mínimo de alegria e compreensão a todos que nos cercam. Que o espírito natalício encha os nossos corações.

O "NOVA ESPERANÇA - GRUPO DE APOIO FRATERNO" DESEJA A TODOS UM FELIZ NATAL!!!

FREI FERNANDO VENTURA COMENTA A ACTUALIDADE SOCIAL DO PAÍS




Fonte: SIC-Notícias

CATEQUESE E COMUNIDADE PAROQUIAL SOLIDÁRIOS COM NOVA ESPERANÇA



No passado Sábado, dia 22 de Dezembro de 2012, uma das catequistas da paróquia da Baixa da Banheira, “Genoveva de Sousa”, entregou nas instalações do “Nova Esperança”, brinquedos que foram oferecidos pelos meninos da catequese, em favor de outras crianças pertencentes às famílias carenciadas apoiadas por esta instituição, os quais muito agradecemos.

Não queremos deixar de agradecer também, a todos(as) os(as) catequistas que durante este primeiro período de catequese, sensibilizaram os seus catecúmenos no sentido da partilha e ajuda ao próximo, com alimentos que ao longo destas semanas foram chegando ao Nova Esperança.

Queremos agradecer ainda, a toda a comunidade paroquial, pelos alimentos doados em favor dos seus irmãos mais desfavorecidos.

Um gesto muito bonito, o dos catecúmenos, seus catequistas e comunidade paroquial, que nós voluntários do NE, nunca iremos esquecer.

Um grande OBRIGADO a todos os que participaram nestas dádivas em favor dos seus irmãos carenciados.

UM SANTO E FELIZ NATAL PARA TODOS!!!

NOVA ESPERANÇA ENCERRA NA SEMANA DE NATAL


Como habitualmente na semana de Natal, o "Nova Esperança - Grupo de Apoio Fraterno" encerra, para que todos os voluntários possam viver esta Quadra Natalícia junto de seus familiares. Reabrimos no dia 31 de Dezembro no horário habitual.

Desejamos a todas as famílias por nós apoiadas, a todos os amigos e benfeitores, um Santo Natal e um próspero Ano Novo. 

CLUBE DESPORTIVO E RECREATIVO RIBEIRINHO OFERECE BRINQUEDOS E ROUPAS AO NOVA ESPERANÇA


O "Clube Desportivo e Recreativo Ribeirinho da Baixa da Banheira", ofereceu no passado dia 19/12/2012, "brinquedos e roupas", que serão entregues neste Natal, às famílias carenciadas apoiadas pelo "Nova Esperança - Grupo de Apoio Fraterno". Esta colectividade tomou mais esta iniciativa, muito louvável, de angariar brinquedos e roupas, demonstrando desta forma, um grande sentido de solidariedade e de amor ao próximo.

Em nome das famílias carenciadas por nós apoiadas, agradecemos este bonito gesto.

Os "Voluntários do Nova Esperança", desejam um Santo Natal para todos os sócios e dirigentes do Clube Ribeirinho.

MOTARDS DA "HORNET PORTUGAL" SOLIDÁRIOS COM NOVA ESPERANÇA

Ainda com o coração a transbordar de emoção e alegria, o “Nova Esperança” quer registar aqui a presença do grupo de motards “HORNET PORTUGAL” e seus amigos, nas suas instalações no dia 16 de Dezembro de 2012, para doarem alimentos, roupas, sapatos, produtos de higiene pessoal, fraldas e brinquedos, a este grupo de apoio fraterno, onde tudo é pouco para tantos pedidos de famílias em situação de carência a todos os níveis. Podemos dizer que ficámos surpreendidos com tanta generosidade. Num tempo tão difícil para todos, chegaram produtos de vários pontos do país e até dos Açores. Quando fomos contactados pelo jovem André Graça da “HORNET PORTUGAL”, não esperávamos tanto empenho da sua parte e tanta solidariedade da parte de outros grupos motards por ele contactados. "Uma gente que sabe ser gente". Obrigado em nome das famílias que vão receber estes produtos. Num convívio fraterno de partilha, as palavras foram surgindo e os corações trouxeram as lágrimas aos olhos num ambiente de amor ao próximo. Depois da entrega dos donativos na instituição, os motores das motas ouviam-se como que a anunciar a alegria de quem as conduzia. Dali seguiram para uma celebração Eucarística na Igreja da Baixa da Banheira, presidida pelo Padre Emídio. A pedido dos motards, no final da Eucaristia foram benzidas as motas no adro da igreja, na presença de toda a comunidade que rezou por aqueles irmãos que tão generosamente se fizeram presentes a bem de tantas famílias. A despedida foi com uma salva de palmas da comunidade, retribuída com os motores das motas em grande aceleração, e foi de lágrimas nos olhos que os vimos partir. Um grupo que vamos recordar para sempre! Obrigada “Hornet Portugal” na pessoa de André Graça e a todos os seus amigos. Não queremos deixar de agradecer também a todos aqueles que de alguma forma contribuíram para que tudo isto se tornasse possível.

Foi Lindo!

OBRIGADO E QUE DEUS SEMPRE VOS ABENÇOE!!!

NOVA ESPERANÇA NA CAMPANHA BA - DEZEMBRO DE 2012



No passado fim-de-semana, dias 1 e 2 de Dezembro de 2012, os voluntários do Nova Esperança, mais uma vez estiveram em colaboração com o Banco Alimentar Contra a Fome na recolha de alimentos nos supermercados Minipreço-Parking, Minipreço da Rua Padre José Feliciano e Lidl da Baixa da Banheira, assim como também no Modelo de Alhos Vedros. Nesta acção de voluntariado estiveram em colaboração com o Nova Esperança, os Escuteiros e outros voluntários que quiseram também dar o seu contributo. Apesar da crise cada vez maior, o povo português correspondeu ao apelo do Banco Alimentar, de tal forma, que se conseguiram praticamente os mesmos resultados que em Novembro do ano passado, cerca de "3.000 toneladas".

Que Deus abençoe todos aqueles que colaboraram com o Banco Alimentar.

CAMPANHA BANCO ALIMENTAR - DEZEMBRO 2012


No próximo fim-de-semana, nos dias "1 e 2 de Dezembro de 2012", os voluntários do "Nova Esperança - Grupo de Apoio Fraterno" irão colaborar, como sempre, com "Banco Alimentar Contra a Fome", na recolha de alimentos nos supermercados Modelo-Continente de Alhos Vedros, Lidl e nos dois Mini-Preços da Baixa da Banheira (Mini-Preço junto ao depósito da água e Mini-Preço na Rua Padre José Feliciano). 

Apelamos a toda a população que ajudem o Banco Alimentar Contra a Fome. Com a ajuda de todos, de uma forma generosa, será possível matar a fome às muitas famílias apoiadas pelas instituições como a nossa.

NÓS VOLUNTARIAMO-NOS PARA QUE ELES COMAM.

“HORNET PORTUGAL” PRETENDE COLABORAR COM NOVA ESPERANÇA



O grupo de motards “Hornet Portugal”, na quadra natalícia que se aproxima, pretende colaborar com o Nova Esperança no apoio às famílias carenciadas da Baixa da Banheira e Vale da Amoreira.

O Sr. André Graça, na qualidade de administrador do grupo de motards, comunicou com a nossa instituição, com o fim de nos reunirmos, conhecermo-nos e trocarmos algumas impressões sobre a ajuda que este grupo pretende dar às famílias por nós apoiadas.

Reunimos ontem dia 14/11/2012, pelas 19:00 horas, nas nossas instalações. Reunião muito amistosa, onde o Sr. André Graça falou um pouco do seu grupo e do que pretendiam fazer em favor das famílias carenciadas.

Depois de termos acertado alguns detalhes com o Sr. André Graça, sobre o evento que este grupo pretende realizar, fizemos questão de lhe mostrar as nossas instalações.

Em breve daremos mais notícias...

Queremos agradecer publicamente à “Hornet Portugal” pela colaboração que pretendem dar ao Nova Esperança, nesta luta contra a fome.

QUE DEUS ABENÇOE TODOS OS ELEMENTOS DA “HORNET PORTUGAL”.

A ESQUERDA E A DIREITA DO BIFE


A presidente do Banco Alimentar é uma cidadã implicada na solidariedade para com os mais desfavorecidos que não precisa de fazer novas provas dessa sua cidadania por efeito das opiniões de alguns iluminados, cuja missão à face da Terra é desconfiar de tudo e de todos. Que foi o que, ao longo desta semana, tentaram fazer com Isabel Jonet. Ou seja: colocá-la sob a suspeição de, por detrás da obra, poder estar a defender a austeridade. Porquê? Por ser ela, a austeridade, que, no fim de contas, alimentaria a pobreza. Tamanha reação - que ameaça a próxima recolha de alimentos - por Isabel Jonet ter dito que a crise convida a rever consumos, designadamente os de bife! Disse-o de um modo básico? Sim. Mas isso vale uma campanha que pode prejudicar os mais necessitados? Não!
Os detratores de Isabel Jonet acabam por caber na história do cidadão muito consciente e muito politizado que recusa sempre dar esmola aos pobres para não desresponsabilizar o Governo e o Estado das suas obrigações constitucionais. Em contrapartida, este é o mesmo tipo de cidadão que dá sempre gorjeta aos arrumadores com medo de que lhe risquem o automóvel.
A tendência para julgamentos precipitados, segundo ordens morais que são apenas de cada um e não da ética adotada pela sociedade, é um dos truques mais usados pelos iluminados para fazerem passar as suas ideias - e, em casos mais egocêntricos, as suas taras - como sendo as ideias que decorrem das leis e normas de comportamentos da boa ordem republicana. Quase sempre, deitando a mão ao Estado sob a forma de abstração benigna por natureza. Religiosa, por assim dizer.
É verdade que, conforme é notícia nesta edição do JN, não há volta a dar ao real: há mesmo relação entre o empobrecimento de muitos portugueses e o facto de estarmos a comer menos bife. E não é menos verdade que se comemos menos bife e os nossos pescadores atiram fora o produto da faina por não obedecer às normas da União Europeia, estamos perante uma austeridade esquizofrénica, que nem sequer respeita os termos de uma economia de guerra: vão-se os anéis, que fiquem os dedos. Ou não?!
Nada disto, porém, deveria impedir que a discussão sobre o consumismo se fizesse. Por dois motivos: para passarmos melhor por este tempo de penúria e para dar mais saúde aos nossos netos.
Ainda esta semana vi, em imagens televisivas, servirem tripas numa das cantinas improvisadas que enxameiam o Norte. E dei comigo a pensar que ficariam bem melhor alimentados aqueles pobres com produtos de outro tipo, designadamente fruta, laticínios e peixe. E como todos viveríamos com melhor saúde se soubéssemos como rejeitar a "fast food" e voltar à nossa tradicional dieta mediterrânica. Que as multinacionais da alimentação destruíram.

BISPOS CATÓLICOS EM FÁTIMA PREOCUPADOS COM FOME EM PORTUGAL

O agravamento dos casos de carência alimentar em Portugal é uma das preocupações dos bispos católicos, que se reúnem em Fátima em Assembleia Plenária a partir de segunda-feira, revelou hoje à Lusa o porta-voz da Conferência Episcopal Portuguesa.
foto LEONARDO NEGRÃO / GLOBAL IMAGENS
Bispos católicos em Fátima preocupados com fome em Portugal
Dom José Policarpo
"É natural que os temas da atualidade surjam nos diálogos da Assembleia [Plenária]. Estou certo que o presidente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), D. José Policarpo, os abordará no seu discurso de abertura. É claro que os nossos bispos sentem como seus os problemas por que passa o povo, carências que se têm agravado ultimamente, mesmo a nível alimentar", explicou Manuel Morujão.
"Já não se trata de nível de vida com dignidade, mas de questões de subsistência, de matar a fome", salientou o padre, sublinhando que a Igreja Católica "está no terreno para evitar ou reatar ruturas, sobretudo através dos seus múltiplos centros sociais, das Conferências de São Vicente Paulo, das Cáritas, das Misericórdias, que têm uma enorme capacidade de serviço social".
Outras questões vão também ocupar os bispos portugueses que estarão em Fátima até quinta-feira, prevendo-se que a Assembleia Plenária da CEP aprove duas notas pastorais.
A primeira, intitulada "Caminho da Esperança", surge a propósito dos 90 anos do Corpo Nacional de Escutas, que é "o maior movimento de juventude em Portugal, com 1.100 agrupamentos, implantado em todos os concelhos e com cerca de 70 mil membros", destacou o porta-voz da CEP.
A segunda nota pastoral que estará em discussão respeita ao 150.º aniversário do nascimento da Beata Maria do Divino Coração, uma jovem alemã que foi responsável de uma obra social de recuperação de jovens, no Porto, e que foi beatificada pelo Papa João Paulo II.
A partilha de iniciativas e projetos de cada diocese relacionada com o Ano da Fé, a informação sobre as atividades das comissões episcopais e a apresentação do inquérito sobre "atitudes e representações da sociedade portuguesa face à Igreja" constituem alguns dos pontos agendados para a Assembleia Plenária da CEP.

CAMINHADA SOLIDÁRIA DO CLUBE DESPORTIVO E RECREATIVO RIBEIRINHO


O "ClubeDesportivo e Recreativo Ribeirinho" da Baixa da Banheira realizou hoje pelas 10 horas, tal com estava programado, uma caminhada solidária em favor do Grupo Nova Esperança.

O Nova Esperança fez-se representar por um dos seus elementos, junto dos membros do Clube Ribeirinho, para agradecer pessoalmente em nome das famílias apoiadas por esta instituição.

Os participantes nesta caminhada, a pouco e pouco foram chegando, transportando consigo alguns alimentos, os quais foram sendo colocados sobre uma mesa reservada para o efeito.

Apesar do tempo não ajudar muito, o número de participantes foi significativo. Antes da partida verificou-se uma boa disposição e um convívio salutar entre todos, revelando que estes estavam felizes por poder ajudar quem mais precisa. Quando chegou a hora, partiram para a caminhada solidária, na certeza que estavam a contribuir para ajudar algumas famílias a quem a vida neste momento não sorri.

Pelas 16:00 horas, os representantes do Clube Ribeirinho, foram recebidos pelos voluntários do Nova Esperança, onde entregaram os alimentos angariados na sua iniciativa muito louvável, e foram convidados a conhecer as instalações onde recebemos as famílias a quem prestamos a nossa ajuda.

Mais uma vez agradecemos ao Clube Ribeirinho e a todos os participantes nesta caminhada solidária em favor do Nova Esperança.

Que Deus a todos abençoe.

PRESIDENTE DA CÁRITAS CRITICA SUBIDA DE IMPOSTOS

Presidente da Cáritas critica subida de impostos
Fotografia © Fernando Timóteo / Global Imagens
Eugénio Fonseca mostrou-se surpreendido por o governo não ter ouvido as interpelações da rua.
O presidente da Cáritas Portuguesa criticou hoje as propostas do Orçamento do Estado e disse não perceber a ausência de respostas do governo perante as interpelações da sociedade e as vozes que se levantaram contra a política de austeridade. Em entrevista à Agência Ecclesia, Eugénio Fonseca disse que "as pessoas não podem mais suportar impostos: este orçamento fundamenta-se, sobretudo, em onerar a carga fiscal e não vai, como era desejável, às despesas - àquelas que foram tão propaladas - que são inúteis e estão a alimentar uma máquina do Estado ineficaz". No dia Mundial para a Erradicação da Pobreza, hoje assinalado, o presidente da Cáritas disse que esperava um "reajustamento do orçamento" depois de se terem levantado "vozes bastante credíveis contra este e as consequências que ele poderá vir a ter na vida dos portugueses".
Fonte: DN PORTUGAL

OS CRISTÃOS E A CRISE: TEMPO PARA A SOLIDARIEDADE E O COMPROMISSO



A Comissão Diocesana Justiça e Paz publicou no dia 11 de Outubro, 1º dia do Ano da Fé, um documento de reflexão intitulado "Os Cristãos e a Crise". Depois de referir alguns números preocupantes do cenário da crise no distrito de Setúbal, a CDJP de Setúbal pergunta: "E os cristãos como reagem?" Fazendo eco de documento recente da Conferência Episcopal Portuguesa e também da Comissão Nacional Justiça e Paz, aponta para a necessidade de uma acção comum dos cristãos em ordem à solução dos problemas, a partir da motivação mais funda da fé cristã que, como escreve o Apóstolo S. Tiago, sem obras estará morta.
Leia o texto integral do documento

CLUBE DESPORTIVO E RECREATIVO RIBEIRINHO PROMOVE CAMINHADA SOLIDÁRIA EM FAVOR DO NOVA ESPERANÇA


 O Clube Desportivo e Recreativo Ribeirinho da Baixa da Banheira, vai organizar uma caminhada solidária no dia 21 de Outubro de 2012, com o intuito de angariar alimentos que irão ajudar as famílias carenciadas apoiadas pelo Nova Esperança. Esta iniciativa contará ainda com o apoio da Junta de Freguesia da Baixa da Banheira e da Câmara Municipal da Moita. Em nome de todas as famílias apoiadas pelo Nova Esperança, agradecemos a feliz iniciativa, que por certo irá amenizar a carência alimentar destas famílias.

QUE DEUS ABENÇOE OS ORGANIZADORES E TODOS OS PARTICIPANTES NESTA  CAMINHADA SOLIDÁRIA.

“COSPEM E OPRIMEM O POVO E DEPOIS DIZEM: ''É UM POVO PORREIRO”, ACUSA D. JANUÁRIO TORGAL FERREIRA


D. Januário Torgal Ferreira criticou o ministro das Finanças, Vítor Gaspar:“ Um tipo cospe e oprime um povo e ao fim diz: isto é um povo porreiro pá!”. Para o bispo das Forças Armadas trata-se de uma “linguagem salazarista”, “na linha do próprio Passos Coelho quando agradecia a resignação dos pobres, e dos humildes e dos ofendidos”.

D. Januário diz que este Governo "monta os burros da feira e depois diz estes burros são bestiais", foto da Lusa
Nas declarações à TSF, D. Januário Torgal Ferreira denunciou ainda a afirmação de Vítor Gaspar: “É linguagem prudencial de um governo que monta os burros da feira e depois diz estes burros são bestiais. Nem andam a zurrar, nem levantam as patas. Fazem para aí uns barulhos de vez em quando, mas aceitam tudo. Isto é o melhor país do mundo”.
Para o bispo, as afirmações do ministro das Finanças estão na linha das afirmações de Pedro Passos Coelho, “quando agradecia a resignação dos pobres, e dos humildes e dos ofendidos”.

Fonte: http://esquerda.net/artigos/Not%C3%ADcias%20sociedade

NOVA ESPERANÇA REELEGE GRUPO COORDENADOR



Ontem, dia 3 de Outubro de 2012, em reunião geral de voluntários do Grupo Nova Esperança e com as presenças do "Padre Emídio e Frei José Carlos", foi reeleito o grupo coordenador que desempenhou funções entre os anos de 2009 e 2012. Este grupo ficará por mais três anos, a liderar o "Nova Esperança – Grupo de Apoio Fraterno".

Os voluntários presentes foram unânimes na reeleição do Grupo coordenador, constituído pelos seguintes elementos:
  •          Conceição Ferreira
  •          Hélder Ferreira
  •          Carina Luís
  •          Paulo Seixas
  •          Sofia Seixas
O grupo coordenador agradece a todos os voluntários, a confiança que nele depositaram e promete fazer tudo o que estiver ao seu alcance, para que nos próximos 3 anos, o Nova Esperança continue a ser uma referência na acção sócio-caritativa. 

ELEIÇÕES PARA GRUPO COORDENADOR DO NOVA ESPERANÇA


Convocam-se todos os voluntários do "Nova Esperança - Grupo de Apoio Fraterno", a estarem presentes na próxima reunião geral, dia 02 de Outubro de 2012, para participarem na eleição do grupo coordenador, que desempenhará as inerentes funções durante os próximos três anos.

Contamos com a participação de todos os voluntários.

AMIGOS DO NOVA ESPERANÇA AJUDAM A COMBATER A FOME


Ontem, "Nuno Cavaco", Presidente da Junta de Freguesia da Baixa da Banheira, e hoje, "João Ramos e sua esposa" entregaram-nos alguns alimentos que irão ser distribuídos a quem neste momento está em situação de carência alimentar.

Agradecemos, de coração, ao nosso amigo Nuno Cavaco, que fez o apelo à população Banheirense e deu o exemplo, doando alguns alimentos ao "Nova Esperança".

Queremos também agradecer, aos nossos incansáveis amigos, João Ramos e sua esposa, que tanto têm contribuído, como voluntários, nas campanhas de recolha de alimentos realizadas pelo Banco Alimentar Contra a Fome.

QUE DEUS, SEMPRE VOS ABENÇOE.

NUNO CAVACO SOLIDÁRIO COM NOVA ESPERANÇA



Presidente da Junta de Freguesia da Baixa da Banheira apelou aos Banheirenses na sua página do Facebook, na passada quinta-feira, dia 13 de Setembro, para que ajudem este grupo com bens alimentares, para que estes sejam distribuídos às famílias carenciadas das freguesias da Baixa da Banheira e Vale da Amoreira. 

Queremos expressar publicamente os nossos agradecimentos, pela solidariedade manifestada pelo nosso presidente da Junta de Freguesia, Sr. Nuno Cavaco, que tem mostrado ser uma pessoa sensível à pobreza que este (des)governo de Passos Coelho e seus amigos da Troika têm provocado neste país.

Todos os dias nos batem à porta novas famílias que tinham uma vida normal e que agora nem sequer têm dinheiro para alimentar os filhos.

O Banco Alimentar Contra a Fome tem feito um magnífico trabalho no apoio às instituições como a nossa, mas verificamos que os alimentos que nos têm enviado ultimamente, cada vez são menos para apoiar tanta família em carência. O número de novas famílias a pedir ajuda cresce de forma galopante e tememos que nas futuras campanhas desta organização, o povo português que tem tido sempre um grande espirito de solidariedade, não possa corresponder como tem correspondido até agora.

Mais uma vez agradecemos ao Sr. Nuno Cavaco, em nosso nome e em nome das famílias por nós apoiadas, a solidariedade e o apelo feito à população Banheirense.

BEM HAJA!!!

REUNIÃO GERAL DE VOLUNTÁRIOS DO GRUPO NOVA ESPERANÇA

No próximo dia 04 de Setembro de 2012, pelas 21:00 horas, realizar-se-á mais uma reunião na igreja paroquial, na sala habitual, para tratar se assuntos de interesse geral ao bom funcionamento do grupo Nova Esperança. A participação de todos os voluntários nesta reunião é importante, não faltes!

NOVA ESPERANÇA ENCERRA PARA LIMPEZAS E MANUTENÇÃO


Informamos que estamos encerrados para limpezas e manutenção das instalações, de 30 de Julho a  19 de Agosto de 2012. Reabrimos no dia 20 de Agosto no horário habitual.

CÁRITAS PEDE MANUTENÇÃO DA AJUDA ALIMENTAR

Organização católica enviou carta ao primeiro-ministro Pedro Passos Coelho

Lisboa, 28 jun 2012 (Ecclesia) – A Cáritas enviou uma carta ao primeiro-ministro de Portugal a solicitar o seu apoio para a manutenção do programa comunitário de ajuda alimentar, durante o Conselho Europeu que decorre hoje e amanhã em Bruxelas.
“Se existir vontade política será possível encontrar uma base legal para manter o programa da União Europeia de ajuda alimentar e ajustá-lo ao Quadro Financeiro Plurianual 2014-2020”, refere a organização católica, em comunicado enviado à Agência ECCLESIA.
Os responsáveis da Cáritas Portuguesa entendem que está em causa “o respeito pelo princípio de solidariedade”, um dos “imperativos que deve nortear a convivência entre os países da União Europeia”.
A mensagem dirigida a Pedro Passos Coelho sublinha a posição da Cáritas Europa ao defender que “a assistência alimentar, prestada de forma isolada, não é a solução para a pobreza”, podendo contribuir para gerar dependências e relacionamentos desiguais entre pessoas e organizações.
A missiva propõe, por isso, que “a base legal da reforma do programa da União Europeia de ajuda alimentar às pessoas mais necessitadas” venha a passar “do âmbito da Agricultura para a esfera da Coesão.”
“O novo programa deveria ainda ter instrumentos próprios, inscritos no quadro financeiro dos fundos estruturais europeus, mas manter-se à parte do Fundo Social Europeu devido ao risco de excluir certas categorias de beneficiários”, observa a Cáritas Portuguesa.
A organização católica para a solidariedade e ajuda humanitária considera que o programa deveria centrar-se “nos mais vulneráveis” e responder “às diversas necessidades dos grupos que mais dependem da ajuda alimentar”.
A Cáritas sugere ainda que o novo programa seja colocado “num quadro de complementaridade de outras medidas políticas destinadas às pessoas, em áreas como o acesso à alimentação/segurança alimentar, habitação ou a reinserção social”.
O documento admite que algumas medidas de acompanhamento possam ser cofinanciadas a nível nacional, libertando o financiamento comunitário para “abordagens inovadoras” que visem “suprir as necessidades alimentares de grupos de risco e a inclusão ativa destes em sociedade”.
Conselho Europeu reúne os chefes de Estado e de Governo da União Europeia na capital belga, a partir desta tarde.

OC

MOVIMENTO SOCIEDADE CIVIL SOLIDÁRIA

Cerca de 160 personalidades de todos os quadrantes da sociedade portuguesa uniram-se no Movimento Sociedade Civil Solidária, uma iniciativa hoje apresentada e que pretende ajudar "as pessoas e famílias mais duramente atingidas pela crise". 

Este movimento irá recolher e canalizar todos os recursos para o Fundo Social Solidário (FSS) gerido pela Cáritas Portuguesa, uma obra que presta apoio a milhares de pessoas carenciadas.
"Nós pedimos a várias pessoas com uma grande credibilidade moral e cívica que se juntassem a nós e dissessem também acreditamos", disse Manuela Eanes, uma das promotoras da iniciativa, à margem da apresentação do movimento, que decorreu em Lisboa.
Várias personalidades responderam ao apelo: desde reitores, escritores, representantes da Igreja Católica, da comunidade hindu, da comunidade islâmica, da Rede Aga Khan, embaixadores, médicos, economistas, entre muitos outros.
O movimento, "exclusivamente da sociedade civil", nasceu de "um pequeno grupo, que foi crescendo, e que se pretende que seja um movimento a nível nacional", disse a também presidente do Instituto de Apoio à Criança, comentando: "Eu acho que vai acontecer mais um milagre português".
Alfredo Bruto da Costa, da Comissão Nacional Justiça e Paz e também promotor da iniciativa, frisou que "Portugal está numa situação extremamente grave e que os problemas do país não se resolvem apenas com pachos quentes".
"Há necessidade de transformações e mudanças profundas, só que estas transformações e mudanças profundas não têm resultados imediatos, são resultados a médio e longo prazo", adiantou.
Entretanto, "há pessoas que caíram de um momento para o outro na pobreza devido à evolução da economia e das políticas que têm sido adotadas".
Bruto da Costa disse que várias instituições e organizações têm tentado acorrer aos problemas dessas pessoas, mas ainda há um espaço na sociedade civil em que as pessoas podem "exercer solidariedade".
"Nós pretendemos utilizar um pouco desse espaço, que implica dar uma oportunidade às empresas, às instituições, às organizações e, sobretudo, aos indivíduos que, com muitos ou poucos recursos gostariam de expressar a sua solidariedade e muitas vezes ficam inibidos de o fazer".
Para o presidente da Cáritas, "os contributos que podem advir do dinamismo deste movimento são uma mais-valia para o fundo solidário", que foi criado para responder às consequências da crise e que se tem destinado, principalmente, a resolver os problemas de habitação.
"Se não fosse este fundo, muitas famílias já tinham entregado as suas casas", frisou, adiantando que, apesar do FSS, se destinar a todas as pessoas, é classe média que mais tem beneficiado.
O Fundo também já tem criado alguns postos de trabalho, mas "poucos relativamente àquilo que desejaríamos, mas também não estamos no tempo mais favorável para que isso aconteça", sublinhou.
Entre as várias personalidades que aderiram ao movimento, encontram-se Adriano Moreira, Laborinho Lúcio, Artur Santos Silva, Bagão Félix, Daniel Sampaio, Guilherme Oliveira Martins, D. Januário Torgal Ferreira, João Lobo Antunes, Manuela Ferreira Leite, Maria Barroso, Miguel Sousa Tavares, Vasco Graça Moura e Vítor Melícias.
As contribuições poderão ser efetuadas através do NIB: 003603249910000923653 do Montepio Geral, do nome da conta: Sociedade Civil Solidária, do site: www.scsolidaria.pt e de chamadas de valor acrescentado para o n. 760 105 010.
Lusa

VOLUNTÁRIOS DO NOVA ESPERANÇA NA CAMPANHA BA - MAIO 2012

"Os voluntários do Nova Esperança - Grupo de Apoio Fraterno", estiveram com grande espírito de solidariedade, à porta dos supermercados Continente-Modelo de Alhos Vedros, Mini-Preço Parking e Lidl da Baixa da Banheira, na recolha de alimentos durante a campanha do Banco Alimentar Contra a Fome, nos dias 26 e 27 de Maio de 2012 . Os Escuteiros e outras pessoas, não pertencentes ao grupo, quiseram unir-se ao Nova Esperança, e partilhar o seu trabalho na recolha dos referidos alimentos, que irão matar a fome às pessoas carenciadas deste país.



DEUS ABENÇOE TODOS OS VOLUNTÁRIOS E TODOS OS QUE CONTRIBUÍRAM COM A SUA DOAÇÃO AO BANCO ALIMENTAR!!!

CAMPANHA BANCO ALIMENTAR - MAIO 2012

"Os voluntários do Grupo Nova Esperança" irão estar presentes no próximo fim-de-semana, dias 26 e 27 de Maio, à porta dos Supermercados Modelo de Alhos Vedros, Lidl e Mini Preço Parking da Baixa da Banheira, colaborando mais uma vez com o Banco Alimentar contra a Fome de Setúbal, na recolha de alimentos que, mais tarde, serão distribuídos pelas famílias carenciadas, através das instituições sócio-caritativas do distrito como a nossa. 

Seja generoso(a), alimente esta ideia.

O DIA-A-DIA DO GRUPO NOVA ESPERANÇA

Este é o dia-a-dia do "Grupo Nova Esperança". Convívio, partilha, oração e apoio aos nossos irmãos carenciados da Baixa da Banheira e Vale da Amoreira.

VIVIANE REDING VISITA BANCO ALIMENTAR

Vice-presidente da Comissão Europeia ouviu queixas de Isabel Jonet sobre o fim dos programas comunitários de ajuda alimentar

Foi com uma visita ao Banco Alimentar que Viviane Reding terminou uma estadia de três dias em Portugal. "A vice-presidente da Comissão Europeia ficou impressionada com o que viu, elogiou o trabalho do Banco Alimentar, considerando-o um exemplo para toda a Europa". 

"A comissária europeia da Justiça, Direitos Fundamentais e Cidadania defendeu também que os excedentes alimentares devem ser distribuídos pelos mais carenciados, em vez de destruídos"

Isabel Jonet, presidente do Banco Alimentar, mostrou-se bastante preocupada com o fim dos programas comunitários de ajuda alimentar para 2014.

Fonte: TVI 24

BANCOS ALIMENTARES ESTÃO EM RISCO

Isabel Jonet reconhece que os pedidos não param de aumentar




Os bancos alimentares estão a «atingir o limite daquilo que é possível de apoio», com o número de pedidos de ajuda das famílias a não parar de aumentar.
«Há mais pedidos, o que penso é que não há mais capacidade de apoio», avisou a presidente do Banco Alimentar contra a Fome, ouvida pela TSF.
Isabel Jonet acrescenta que há bancos alimentares que não podem admitir mais instituições, «sobretudo através do canal das Instituições de Solidariedade Social, que já não podem ajudar mais nenhuma família, porque não têm recursos humanos, físicos e financeiros».
A responsável alertou que, em 2014, Portugal deverá deixar de receber o Programa Comunitário de Ajuda Alimentar.
«Estamos numa situação de crise económica e social e, portanto, estes programas garantem a almofada de sobrevivência de muitas pessoas que não têm emprego e outro tipo de rendimentos», afirmou.
Para Isabel Jonet, é fundamental criar um programa alimentar nacional.


Fonte: TVI 24 

DISTRITO DO PORTO TEM 26 NOVAS CANTINAS SOCIAIS

Vão ser distribuídas 40 mil refeições por mês

O distrito do Porto tem agora 26 novas cantinas sociais, que irão distribuir 40 mil refeições por mês, ao abrigo do Programa de Emergência Alimentar do executivo lançado no Porto por Marco António Costa.

O programa visa que «26 instituições em todos os concelhos do distrito do Porto passem a ter uma capacidade alargada para servirem mais cerca de 40 mil refeições e, por essa via, fazerem um apoio direto à população que careça desse tipo de apoio», explicou o secretário de Estado da Solidariedade e Segurança Social, que presidiu esta sexta-feira à cerimónia de assinatura dos protocolos para as cantinas sociais no distrito do Porto.

A primeira fase do Programa de Emergência Alimentar (um dos ramos do Programa de Emergência Social do executivo) no distrito do Porto foi lançada esta sexta-feira. Conta com 26 cantinas, mas prevê-se um aumento até 40 na segunda fase, que irá avançar no mês de maio.

Só para o distrito do Porto passarão, para já, a ser disponibilizados 98 mil euros por mês para estas refeições distribuídas pelas Instituições de Solidariedade Social que por cada uma irão receber 2,5 euros.

As refeições (destinadas a idosos com baixos rendimentos, famílias atingidas pelo desemprego e famílias com filhos a cargo) são à partida gratuitas, mas as instituições podem cobrar até um euro, dependendo dos rendimentos da pessoa em causa.

«Estamos a falar de um Programa de Emergência Alimentar que a nível nacional investirá mais de 50 milhões de euros durante o ano de 2012 e que alcançará muitas dezenas de milhar de pessoas e que fornecerá centenas de milhares de refeições», explicou o secretário de Estado.

A nível nacional o programa pretende criar «mais de 900 cantinas» e passar de «um investimento em 2011 de dois milhões de euros para 50 milhões de euros este ano».

Marco António Costa explicou ainda que o programa «não tem uma natureza assistencialista» e «respeita a confidencialidade, o anonimato, a individualidade de cada uma das pessoas ou famílias que necessitam de socorrer-se desta resposta social para obter alimentação».

O Programa de Emergência Social «está a atuar em várias frentes em simultâneo, tentando chegar aos portugueses através dos parceiros sociais no terreno, com simplicidade e discrição», disse o governante.

Fonte: TVI24

BISPO TRAÇA NORMAS PARA OS SERVIÇOS PAROQUIAIS DE ACÇÃO SOCIAL


Um número sempre crescente de pedidos de ajuda, sobretudo financeira, dirigidos às paróquias, levaram a uma reflexão sobre a necessidade de criar e melhorar os serviços da acção social e caritativa, particularmente no que diz respeito à coordenação e integração num trabalho de rede e de parceria, de modo a responder mais eficazmente às necessidades. Fruto dessa reflexão em várias instâncias diocesanas, é um documento intitulado “Serviços Paroquiais de Acção Social - Normas Pastorais”, assinado pelo Bispo diocesano e publicado em 5 de Abril, Quinta-feira Santa.
Eis o documento:
Diocese de Setúbal
Serviços Paroquiais de Acção Social
Normas Pastorais

Introdução
Tem vindo a ser objecto de reflexão pelo Clero, quer no Conselho de Presbíteros, quer nas reuniões dos Vigários Forâneos e nas Vigararias, a actual problemática social e a procura de melhores respostas que as comunidades poderão e deverão dar às muitas pessoas em situação de pobreza.
Atentos tanto ao Magistério da Igreja, quer do Santo Padre (em especial a encíclica Deus Caritas est), quer da Conferência Episcopal Portuguesa (Instrução Pastoral A Acção Social da Igreja, o documento Princípios e Orientações da Acção Social e Caritativa da Igreja e ainda o recente documento Serviços Paroquiais de Acção Social – para uma cultura da dádiva), como às experiências que nesta área têm sido desenvolvidas na nossa Diocese, ouvido o Secretariado Diocesano da Acção Social e Caritativa, decidimos, com o objectivo de melhorar a acção social das nossas comunidades, traçar algumas linhas normativas de orientação e acção prática para as paróquias, sem prejuízo da responsabilidade de cada cristão, individualmente e em grupo, exercer a caridade.
1. Existe uma unidade essencial entre Palavra, Liturgia e Caridade: “a prática da caridade é um acto de Igreja enquanto tal e (…) também ela, tal como o serviço da Palavra e dos Sacramentos, faz parte da essência da sua missão originária” (Deus Caritas est, 32). Na acção pastoral, tenha-se sempre em conta a valorização da acção social e caritativa e a sua articulação com serviço da Palavra e da Liturgia.
2. Tenha-se igualmente em conta que a acção sócio-caritativa tem como primeiro objectivo, mas não único, a ajuda imediata a necessidades que pedem uma resposta pronta. Ela, porém, não se esgota na assistência pontual, mas visa promover a pessoa, ajudando-a a vencer as causas da sua situação de carência e a construir o seu futuro. E, em última instância, visa transformar as pessoas e o ambiente pela presença purificadora e libertadora do Evangelho e da Pessoa de Jesus Cristo.
3. A pastoral social da Igreja diocesana concretiza-se na comunidade paroquial, à qual preside, em nome do Bispo, o Pároco. Toda a comunidade paroquial é sujeito da Acção Social e Caritativa. Por isso, envolvam-se todos os membros da paróquia numa apurada atenção aos mais pobres e na resposta aos vários tipos de pobreza.
4. Impõe-se como prioritário:
• ajudar as comunidades a tomar uma consciência mais viva das exigências da caridade ao nível das motivações e das formas concretas de intervenção;
• definir linhas de acção mais adequadas e eficazes nas ajudas a prestar às famílias e indivíduos em situação de grave carência;
• organizar a caridade a nível paroquial, de modo a garantir a coordenação e a participação de todos os intervenientes;
• fomentar regularmente e de forma criativa a partilha fraterna de bens.
5. Onde não exista nenhum serviço sócio-caritativo, procure-se que seja criado um grupo paroquial de acção social, cuidando-se da sua preparação, formação e acompanhamento.
6. Nas paróquias em que existam instituições e grupos directamente ligados à pastoral social, como Centro Social Paroquial, Caritas Paroquial, grupo de Vicentinos, Legião de Maria, núcleo da Pastoral da Saúde e outros, criem-se entre todos laços de mútuo conhecimento, de comunhão e de colaboração. Para promover com e entre todos estes intervenientes um trabalho coordenado, no respeito e na complementaridade dos carismas de cada um, crie-se onde não exista um “Serviço Paroquial de Acção Social” presidido pelo Pároco.
7. Este Serviço Paroquial terá como campos privilegiados de acção:
a) Informar e ajudar a formar a comunidade para as exigências da Caridade.
b) Dinamizar a formação dos intervenientes mais directos, tanto no que se refere aos princípios e motivações (concretamente, a Doutrina Social da Igreja) como às práticas mais adequadas no que diz respeito ao acolhimento e acompanhamento dos mais carenciados. A Caritas Diocesana dará apoio a acções de formação, quando solicitada.
c) Providenciar por que se faça o levantamento das necessidades e das respostas existentes e se estude que necessidades não têm resposta prevista por nenhum dos grupos e de que modo a comunidade cristã pode organizar a sua acção sócio-caritativa para responder mais eficazmente aos desafios da comunidade humana de que faz parte.
d) Recolher com discrição e precisão dados sobre a realidade, quer no atendimento social, através de folhas de apuramento estatístico, quer em entrevistas formais ou informais, de visitas ao domicílio ou outras modalidades de contacto directo.
e) Avaliar com regularidade as acções desenvolvidas, comunicando aos grupos os resultados dessa avaliação, com sugestões de possíveis ajustamentos na sua intervenção.
8. Promova-se a cooperação entre as paróquias. Promova-se também a cooperação com as Santas Casas da Misericórdia. Promova-se, ainda, igual cooperação com instituições não eclesiais em projectos comuns e no chamado “trabalho em rede”. Esta cooperação é desejável, tanto pela comunhão eclesial que mais visivelmente testemunha, como pela economia de meios e pela maior eficácia que proporciona. Igualmente permite não só encontrar melhores respostas às carências das populações, como viabilizar uma presença evangelizadora da comunidade cristã junto de novos ambientes e pessoas.
9. Tenha-se em conta que a acção sócio-caritativa da Igreja, tal como o Santo Padre sublinhou na encíclica Deus Caritas est, tem como destinatários todos os que passam necessidade: “O amor-agape estende-se para além das fronteiras da Igreja; a parábola do bom Samaritano permanece como critério de medida, impondo a universalidade do amor que se inclina para o necessitado encontrado «por acaso» (cf. Lc 10, 31), seja ele quem for”. Tenha-se igualmente em conta que, “ressalvada esta universalidade do mandamento do amor, existe também uma exigência especificamente eclesial — precisamente a exigência de que, na própria Igreja enquanto família, nenhum membro sofra porque passa necessidade” (DCE 25).
10. Não se faça da acção caritativa um meio de proselitismo, mas também não se limite a prática da caridade a um mero serviço social. É preciso, acima de tudo, que os católicos “através do seu agir — como também do seu falar, do seu silêncio, do seu exemplo —, se tornem testemunhas credíveis de Cristo” (DCE 31).

Setúbal, 5 de Abril – Quinta-feira Santa – de 2012
+ Gilberto, Bispo de Setúbal

FELIZ PÁSCOA

Recados
 "O NOVA ESPERANÇA - GRUPO DE APOIO FRATERNO", deseja a todos os seus benfeitores, amigos e famílias apoiadas, uma Santa Páscoa.

NOVA ESPERANÇA ENCERRA NA SEMANA SANTA


Informamos que as instalações do Nova Esperança - Grupo de Apoio Fraterno, encerram na Semana Santa para descanso dos seus voluntários. Que todos os voluntários vivam o espírito desta semana tão especial, junto de seus familiares, que bem o merecem. Reabrimos no dia 09 de Abril, no horário habitual.

NOVA ESPERANÇA VIVE A QUARESMA

O grupo “Nova Esperança” realizou na passada terça-feira dia 13 de Março, uma “Via Sacra” na Igreja Paroquial da Baixa da Banheira.


Viver o tempo da Quaresma desta forma, torna o grupo cada vez mais “fraterno e unido” no seu objectivo de ajuda aos seus irmãos carenciados.


O grupo irá repetir a Via Sacra até à Páscoa, em todas as terças-feiras pelas 15:00 horas, e convida todos os que se quiserem juntar a esta iniciativa.


CÁRITAS ALERTA: «HÁ FOME EM PORTALEGRE»

Registo de um aumento de 30 por cento nos últimos meses


O presidente da Cáritas Diocesana de Portalegre e Castelo Branco, Elicídio Bilé, assegurou que «há fome» na região de Portalegre e que o número de atendimentos aumentou «cerca de 30 por cento», nos últimos meses.

«Tem aumentado o número de pessoas que está em grave situação de carência económica e até ao nível da sua própria sobrevivência», frisou à Agência Lusa o responsável.

Na região de Portalegre, continuou, é «nítido» que «há pessoas que só têm duas a três refeições quentes por semana». «Há fome no distrito de Portalegre», afirmou, relatando que a crise económica está também a ser sentida em Castelo Branco de forma «grave». Mas é em Portalegre que o drama é «superior».

A Cáritas Diocesana de Portalegre e Castelo Branco apoia, em regime de acompanhamento e «só em Portalegre», mais de «410 famílias», mas, nos últimos meses, o número de atendimentos aumentou cerca de «30 por cento», disse Elicídio Bilé, citado pela agência Lusa.

«Só em Portalegre, a Cáritas apoia mais de 410 famílias em regime de acompanhamento, mas os atendimentos são superiores, pois, nos últimos meses, houve uma subida acentuada, na ordem dos 30 por cento, em comparação com o ano de 2011», explicou.

Em muitos dos casos apresentados, segundo o responsável, o aumento nos atendimentos deve-se ao facto de existirem muitas pessoas que deixaram de receber o subsídio de desemprego.

A instituição tem também identificado vários casos de pobreza envergonhada, em que as famílias viviam com muitas dificuldades, mas não eram capazes de se expor.

O presidente da Cáritas Diocesana de Portalegre e Castelo Branco considerou que o número de casos de pobreza tem vindo a aumentar devido ao «sucessivo encerramento» de pequenas empresas na área do comércio e da restauração.

Com o aumento dos pedidos de ajuda, a instituição tem também tido algumas dificuldades em dar respostas, tendo formado, recentemente, um grupo de «amigos» da Cáritas para responder às diversas solicitações.

Este grupo tem tentado responder, principalmente, junto das famílias de Portalegre que contam com crianças no seu agregado familiar.

Argumentando que a crise «parou» a economia naquela região alentejana, Elicidio Bilé indicou que a Cáritas tem no terreno um departamento de apoio ao emprego e grupos de ação social em cada paróquia para tentar dar resposta às situações mais urgentes.

Fonte: TVI24